quarta-feira, 9 de março de 2022

ENCONTRO DE MULHERES DA CPT RONDÔNIA E DEMAIS PARCEIRAS DE LUTA POR UMA SOCIEDADE MAIS JUSTA


A Comissão Pastoral da Terra do Regional Rondônia em parceria com a Secretaria de Mulheres do STTR e Paróquia de São Francisco de Assis do munícipio de São Francisco do Guaporé, localizado na região do Vale do Guaporé do estado de Rondônia, reuniram-se de maneira virtual na noite do dia 07 de março com lideranças femininas do campo rondoniense com o intuito de falar sobre o Papel das Mulheres como Protagonistas das Lutas Sociais. A agente de pastoral Eliana fez abertura da Roda de conversa, apresentando o tema a ser trabalhado - Mulheres protagonistas em Luta, iniciando o encontro a história do dia 08 de março. O dia 08 de março celebra o dia Internacional da Mulher, sendo esta uma data que simboliza a luta das mulheres em busca de igualdade salarial, valorização, respeito, luta pela afirmação de sua dignidade e pelo fim de todas as formas de violência sofridas pelas mulheres, discriminação de gênero e machismo. É um dia que nos convida a refletir e a mobilizar a sociedade para a necessidade de apoiar as lutas diárias das mulheres, impedindo que retrocessos ameacem o que já foi alcançado.

Eliana convida as participantes para fazer um minuto de silêncio em memória a todas as mulheres que tombaram, sendo vítimas de violência, e traz presente as 14 mulheres que foram mortas violentamente em nosso estado de Rondônia nos dois primeiros meses do ano 2022. Em seguida a agente pastoral Eliana convida a companheira Vanessa Diniz que apresentou em homenagem às companheiras presentes um poema de sua autoria, intitulado “Em Luta”.

Em luta

Cantemos nosso tempo!

Em luta estaremos

Na praça, observando,

O que mais podemos querer

Que possamos mudar este tempo!

Em lutas estaremos

Em tempos de guerras

Acalentando, mediando

Caminhando para a paz!

Em luta

Cantemos nosso tempo!

Tempo de acolher

Digerir-se ao abraço

A partilha do pão

Que neste chão, brota com rebeldia!

Tochas que não se apagam

À frente de homens covardes

De tempos atrás e tempos de hoje

Os sábios estão sempre acompanhados!

Em luta

Cantemos nosso tempo!

Nesta história e em outras outrora

Protagonistas em luta

Mulheres!? Sim!

Temos e vivemos aqui!

Viemos aqui porque

Temos fome de poder

Temos fome de justiça

E que esta seja compartilhada.

Em luta

Cantemos nosso tempo!

Estamos disponíveis

Com vontade de vencer

Plantar sementes e com esforço

Cuidar para colher!

Somos mães, protagonistas do ser

Gerado no ventre

E com o povo, vivendo para ele!

Caminhamos fortes!

Em luta

Cantemos nosso tempo!

Vanessa Diniz

04/03/3/2022

 Após a leitura encantadora do poema escrito por Diniz, as organizadoras do encontro e agentes pastorais da CPT-RO, Eliana Celeste, Rosiane Chicuta e Marinês Aparecida Sobczak de Souza, conduziram as apresentações solicitando que cada companheira entoasse o nome de uma mulher que lhe inspirasse. Entre os nomes citados, temos Luíza Erundina, Olga Benário, Maria de Nazaré e Dorothy Stang. Destaca-se na fala das companheiras suas o papel que suas mães ocupam como modelos a serem seguidos por expressarem força e determinação.

Irmã Isabel Cristina, da Paróquia de São Francisco de Assis, contribui com a condução do tema que expôs sobre o papel que Débora teve na Bíblia no livro de Juízo. 4, apresentando a estratégia da mulher para vencer a batalha a partir de sua busca por Deus. Na reflexão irmã Isabel esclareceu que Débora era uma sacerdotisa que tinha segurança no que falava e tinha prontidão de ir à luta pela sobrevivência do país. E traz presente hoje tantas Déboras que tem suas histórias de lutas que nos inspira a agir, porém devemos ter convicção e confiança no que fazer em defesa das mulheres.  Finalizou sua participação com a música “mulheres que sabem rezar”.

A companheira Euzeli - secretaria de mulheres do STTR de São Francisco do Guaporé, fez sua fala - sobre a luta e conquistas das mulheres trabalhadoras, em busca do empoderamento e reconhecimento de seus valores, tendo em vista, muitas companheiras que trabalham nas atividades da família não tem reconhecimento, e as vezes não se auto reconhece. Euzeli trouxe em sua fala dados sobre a luta pela igualdade salarial, machismo e o patriarcado, visto que vivemos no país onde 01 (uma) mulher sofre violência sexual a cada 10 minutos. Euzeli em sua fala deixa a toda nós mulheres de luta a mensagem – “O dia da Mulher é todo dia”, e nos questiona: “Mulher! Mulher! O que é que você quer?  E recitou o poema de sua autoria, intitulado “A Luta continua”.

Fonte: CPT-RO


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos suas opiniões e informações.