terça-feira, 17 de outubro de 2017

GRUPO ARMADO ATACA ACAMPADOS EM CANDEIAS DO JAMARI, RONDÔNIA




Um grupo  armado  atacou  com  muitos disparos  de  pistola,  carabina  e  armas  de  grosso  calibre  a  trabalhadores rurais sem terra, do acampamento Boa sorte, Assentamento Flor do Amazonas. O grupo de trabalhadores foram pegos totalmente vulnerável quando se dirigira  para pescar no Rio Candeias.

O ataque aos trabalhadores ocorreu na manhã de domingo, 15 de outubro de 2017 no Ramal Taboca, Igarapé Taboca, Km. 114, nas proximidades do Acampamento, grupo independente de aproximadamente 200 famílias situado dentro do assentamento Flor do Amazonas, no município de Candeias do Jamari, à uns 50 km  da capital de Rondônia, Porto Velho.

Quando a Polícia Militar chegou no local, já não encontraram os acusados, e não quiseram ir ao local onde os trabalhadores acreditavam que os mesmos estariam escondidos. Isto os impossibilitou de deterem as pessoas armadas no lugar dos tiroteios.  Também a Delegacia Agrária já foi comunicada do acontecido.
O grupo registrou Boletim de Ocorrência de número 175266/2017 na 1ª delegacia da Polícia Civil de Candeias do Jamari. 

Os trabalhadores acusam o senhor Hernando Linhares Neto de ser o mandante do ataque, pois o mesmo chegou aproximadamente às 8:h do dia 15/10/2017, juntamente com seus "seguranças", todos armados com arma de fogo. Ao encontrar com as pessoas que iriam pescar no Rio Candeias, em meio da via pública do Ramal Taboca, os acusados já foram efetuando disparos na direção das vítimas, que somente não foram atingidas porque correram para o interior da mata. Em seguida, outras vítimas chegaram ao local e também foram  abordadas e intimidadas com arma de fogo pelos acusados, que as fizeram voltarem imediatamente.

Segundo os acampados as vítimas do tiroteio fugiram para dentro da mata e apenas conseguiram sair do local pela noite, pois os jagunços ficaram aterrorizando o dia todo nas   estradas. O chefe destes ataques é identificado pelos camponeses como grileiro e não há nenhuma fazenda no local pretendido pelo grupo, apenas uma casinha onde ficam os "guaxebas", no local denominado Igarapé Taboca.

O Assentamento Flor do Amazonas, é conhecido nos Tribunais  de Porto Velho, por suas inúmeras áreas de litígio agrário, desencadeadas dentro do assentamento. O INCRA ao realizar a retomada da gleba, não fez a desintrusão dos fazendeiros que buscam processos de reintegração de posse na justiça estadual contra os camponeses. 

CPT-RO


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos suas opiniões e informações.