quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Rondônia afunda em conflitos agrários

A própria polícia  contabiliza na região de Ariquemes neste ano 33 conflitos agrários, 117 ocorrências policiais, 77 prisões, e 05 mortes decorrentes de conflitos entre fazendeiros e sem terras e 05 armas apreendidas aos camponeses. A contagem foi relatada pelo Comandante do 7ºBPM de Rondônia, o Tenente Coronel José Maria de Vasconcelos  Filho, na região de Ariquemes em 22 de Outubro considerando haver "agravamento dos conflitos decorrentes de conflitos relacionados com disputas de terras na região do Vale do Jamari". 

Policias no Acampamento Monte Verde em 11/6/14. foto jornalrondoniavip 

A CPT RO recebeu este relatório do Ouvidor Agrário Nacional, Desembargador Gercino José da Silva Filho, que acusando parcialmente apenas aos sem terra da Liga dos Camponeses Pobres (LCP), e não registra nenhuma prisão nem arma foi apreendida aos fazendeiros e milícias atuantes na região. A maioria de áreas em conflito são Terras da União, terras públicas griladas por fazendeiros.

A Ouvidoria Agrária Nacional dirigiu Ofício de nº 139 ao Secretário de Estado de Segurança, o dia 24 de Novembro,  chamando ao Estado de Rondônia a se responsabilizar frente as situações agrárias que pipocam em Rondônia, declarando literalmente que 
  • "O Estado de Rondônia se coloca em frente a um dilema que não pode mais tergiversar, que é o enfrentamento das questões agrárias", 
Considerando os conflitos motivados porque 
  • "a dinâmica das relações sociais impõe o seu próprio caminho quando não surtem efeitos as reivindicações que dizem respeito ao atendimento das necessidades fundamentais dos seres humanos" e que "as ocupações de imóveis rurais constituem uma resposta a histórica falta de mudança da estrutura fundiária brasileira"
Gercino enumera, além das situações citadas pela PM contra os grupos sem terra denunciadas, outras reclamações dos movimentos civis e denúncias da CPT, como atuação de milícias armadas em diversos pontos do Estado. Um ex-comandante do 7º CPM foi acusado de chefiar esquema de segurança privada das fazendas da região. 

Na mesma região foi denunciada esta semana o desaparecimento de um camponês do Acampamento Écio Machado, em Monte Negro, com protesto de seus companheiros que se manifestaram cortando a BR 421.  Na Casa Civil do Governo foi realizada reunião ontem da comissão de conflitos, porém não debateu destes assuntos. Vejam informações divulgadas pelo  G1.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos suas opiniões e informações.