quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Operação de força policial em acampamento de Alto Paraíso, Rondônia

Diversos meios de comunicação têm divulgado informação de fonte da comunicação da Polícia Civil, segundo a qual força policial conjunta Polícias Civil, Militar e Força Nacional realizaram hoje operação em acampamento de sem terra em Alto Paraíso, Rondônia.  Segundo as informações, um dos principais objetivos desta operação seria a identificação de possíveis envolvidos em ataque na Fazenda Formosa ocorrida recentemente.
Segundo as informações recolhidas pela CPT RO no local está o Acampamento 10 de Maio, data da ocupação da área em 2013. Vejam abaixo a informação divulgada:




"A Polícia Civil em um trabalho integrado com a Polícia Militar e Força Nacional, desencadeou nas primeiras horas desta quinta-feira (20/11), a “Operação Terra Limpa I”, com cumprimento de mandados de busca e apreensão no acampamento dos sem terra da Fazenda Formosa, localizada na região de Alto Paraíso/RO.
Um dos principais objetivos desta operação é a identificação de possíveis envolvidos no ataque à sede da Fazenda Formosa ocorrida recentemente, onde culminou com a morte de um funcionário da referida fazenda, além de objetivar a apreensão de armas de fogo naquele local.
A operação foi desencadeada pela Delegacia Regional e Delegacia de Homicídio de Ariquemes. No período da tarde desta quinta-feira (20), em horário ainda não definido, haverá uma coletiva de imprensa na Delegacia Regional de Ariquemes para informar os objetivos alcançados durante a ação".

fonte: pcrocomunicacao

 Segundo informações divulgadas pela NOTÍCIAS DA TERRA, o Acampamento 10 de Maio resistiu e conseguiu adiar um despejo judicial em 16 de Julho de 2013.

O tema foi debatido em Reunião da Comissão Nacional de Combate a Violência do dia 23 de julho, na sede do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), em Porto Velho. O Ouvidor Agrário Nacional, Desembargador Gercino José da Silva Filho interveio vendo se o MP tinha sido consultado, em conformidade com o Código Civil:

  • Consoante encaminhamento decorrente de reunião da Comissão Nacional de Combate à Violência no Campo realizada em Porto Velho, na sede do Incra, no dia 23 de julho de 2013, tenho a elevada honra em dirigir-me a Vossa Excelência visando saber, respeitosamente, se houve a participação do Ministério Público no bojo do Processo nº 0006164-35.2013.822.0002, que apresenta Nilma Alves Barbosa Quito e outro como requerentes e trabalhadores rurais sem-terras independentes como requeridos, que versa sobre o imóvel rural denominado fazenda Formosa, na gleba 06 de Julho/São Sebastião, localizado no município de Alto Paraíso, que tramita na 1ª Vara Cível de Ariquemes, de conformidade com o artigo 82, inciso III, do Código de Processo Civil, e, se for o caso, se Vossa Excelência deu ciência, a pedido deste ouvidor, ao promotor natural no que diz respeito ao não cumprimento da reintegração de posse em tela, com fundamento em nulidade processual pela falta de participação do Ministério Público no caso em questão.
- Em 26 de Julho o juiz da 1ª Vara Cível de Ariquemes, Muhammad Hijazi Zaglout, suspendeu a liminar:
  •  "Diante da manifestação dos órgãos ministeriais, tanto Estadual como Federal, declino da competência para processar e julgar este feito a favor da Justiça Federal, onde, inclusive, será debatida eventual nulidade processual. Em razão disso, suspendo o cumprimento da liminar". Processo: 0006164-35.2013.8.22.0002

- Após pesquisar  informações relativas ao  ataque sofrido pela Fazenda Formosa, achamos esta matéria assinada por Felipe Coronano site rondoniavip: 

"Homens armados invadem fazenda, matam funcionário e provocam cenário de destruição e horror"
"Em uma ação criminosa na madrugada desta sexta-feira (10), possíveis sem-terras armados invadiram a fazenda Formosa, em Alto Paraíso, provocando um rastro de destruição e medo. O relato desesperador foi feito por uma das vítimas, Juan Francisco Bassan, de 43 anos.

De acordo com ele, a invasão começou bem cedo, por volta das 11h30 do dia 09, quando balearam seu companheiro de trabalho, não identificado, em uma emboscada. “Estávamos passando a cavalo, quando ouvimos os tiros. Meu colega de trabalho foi atingido e eu pulei do cavalo. Após correr muito, consegui me esconder na fundiária da fazenda, mas de longe vi os invasores queimarem a sede, as máquinas e o galpão. Após várias horas aguardando, dei a volta à pé pelo pasto para chegar pela frente do local”, disse Juan Francisco em depoimento aos policiais militares.

O Grupo de Operações Especiais (GOE), comandado pelo tenente Consalter, ainda foi ao local para tentar controlar o problema, mas não teve muito o que fazer, já que o companheiro de trabalho de Juan Francisco já estava morto há horas, além da destruição ter sido feita por todos os invasores armados que já tinham fugido do local há algum tempo".

Segundo o mesmo autor: 

"No dia 23 de setembro, um grupo fortemente armado tentou matar o proprietário da fazenda Formosa. Ele estava trafegando dentro da área, quando teve o seu veículo atingido por disparos de arma de fogo. A vítima estava na companhia de um funcionário e ambos conseguiram abandonar o veículo sem serem atingidos e chamaram a polícia"

"Um grupo fortemente armado tentou matar no final da manhã de ontem (23), o proprietário da Fazenda Formosa, localizada no município de Alto Paraíso. O fazendeiro estava trafegando dentro da propriedade quando teve o seu veículo atingido por disparos de arma de fogo, a vítima estava na companhia de um funcionário, ambos conseguiram abandonar o veículo sem serem atingidos e chamaram a polícia.
Policiais do Grupo de Operações Especiais - GOE de Ariquemes fizeram diligências no local e recolheram cápsulas de calibre 12 deflagradas, os infratores não foram encontrados. De acordo com as vítimas o bando era formado por pelo menos quatro integrantes". Fonte rondoniavip

Segundo esta informação a polícia suspeitou do grupo de ocupantes da Fazenda Formosa como os autores.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos suas opiniões e informações.