quarta-feira, 19 de março de 2014

Doenças ameaçam áreas alagadas de Rondônia.

Após um mês de enchente agravada pelas usinas, em Porto Velho o Rio Madeira atinge 19,22 m. de nível enquanto aumenta o risco de doenças como leptospirose e febre tifoideia (2 casos estariam confirmados em Jaci Paraná) em Porto Velho, Rondônia. A enchente estaria deixando 50.000 pessoas sob risco de contrair doenças tropicais por este motivo e o medo a surto de doenças deixa em alerta as autoridades e a população.

A população também comenta que milhares de peixes se acumulam nas proximidades da barragem de Santo Antônio tentando remontar como antigamente a cachoeira. A "escadinha" de peixes da usina estaria se mostrando totalmente insuficiente.

Por outro lado, relatoria do Direito Humano ao Meio Ambiente (DHESC Brasil) em nota pública apoia demanda de atingidos e atingidas e decisão da Justiça Federal no caso das hidrelétricas de Jirau e Santo Antônio no Rio Madeira e ressalta riscos também das hidrelétricas de Belo Monte e Tapajós no Pará.

Os barcos estacionados na praça de Guajará Mirim. foto novamamoré notícia
Tendo em vista a situação de calamidade pública que enfrenta a população de Rondônia em decorrência das enchentes em níveis e intensidade nunca antes vivenciados, a Relatoria do Direito Humano ao Meio Ambiente da Plataforma de Direitos Humanos – Dhesca Brasil – manifesta seu apoio ao pleito dos atingidos e das atingidas e a decisão da Justiça Federal determinando que os consórcios responsáveis pelas hidrelétricas de Santo Antônio e Jirau, em Rondônia atendam imediatamente as necessidades básicas das populações afetadas pelas enchentes e realizem novos estudos ambientais.

"Por isso, além de garantir a satisfação das necessidades básicas da população atingida pela enchente do Rio Madeira e exigir novos estudos ambientais das obras, o Estado brasileiro deveria responsabilizar os consórcios das hidrelétricas pelos danos sociais e ambientais verificados nas áreas de influência das duas hidrelétricas, que agravaram as consequências da cheia histórica verificada no Rio Madeira nos últimos meses, de forma a coibir repetições. O Estado brasileiro deve também suspender as licenças de instalação das usinas não só do Madeira como também de Belo Monte e do Rio Tapajos".

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos suas opiniões e informações.