sexta-feira, 7 de março de 2014

A cheia do Madeira na Bolívia


Uma das áreas mais atingidas na Bolívia é nas proximidades da confluência do Rio Beni e do Rio Mamoré, a partir da junção dos dois é que o rio passa a ser chamado de Rio Madeira. Lá que está prevista a construção da UHE de Cachuela Esperança (pouco acima do Rio Beni, já dentro da Bolívia) e pouco mais abaixo a UHE de Guajará Mirim ou do Ribeirão, (na cachoeira do Ribeirão, em Nova Mamoré), já no Madeira, que divide a fronteira de Brasil e Bolívia. 

Gado na bacia boliviana do Madeira se acumula em pequenas faixas de terra firme.

Pelo menos entre 130 e 200 mil cabeças de gado morreram somente nas últimas duas semanas nos departamentos de Cochabamba, Beni e Santa Cruz, na Bolívia, em virtude das enchentes, que por sua vez, foram ocasionadas por chuvas torrenciais de até 800 milímetros em apenas 30 dias.

De acordo com o Ministério da Agricultura da Bolívia, as mortes ocorreram, principalmente, no departamento de Beni, onde o transbordamento recorde dos rios Madre de Dios, Beni e Mamoré isolou centenas de milhares de cabeças de gado ainda no pasto.
A água subiu vertiginosamente, não havendo tempo para os pecuaristas retirarem o gado para áreas mais elevadas. O relevo da região também prejudica bastante, uma vez que, diferente das demais áreas, a área é composta de planícies facilmente alagáveis.


Comunidades às margens das “Rutas” 8 e 9, rodovias federais bolivianas que cortam as regiões de Riberalta, Guayamerin e San Joaquim, ambas em Beni, estavam totalmente isoladas na segunda-feira (24), onde o odor ocasionado pela decomposição dos corpos que não foram resgatados a tempo era grande.
Na região de pântano, na divisa com Rondônia, áreas entre Costa Marques e Guajará-Mirim, mas do lado boliviano, fazendas inteiras estavam inundadas, com água até o teto das casas.

Na região de encontro entre os rios Beni e Mamoré, já na fronteira com Rondônia, a extensão dos alagamentos superou 500 quilômetros além da margem, de acordo com informações da Força Aérea Brasileira que sobrevoou a região.

O governo boliviano informou que, além das mais de 130 mil cabeças de gado que morreram por conta dos transbordamentos dos rios, em todo o país, desde o início do ano, 60 pessoas já haviam morrido, a maioria por alagamentos e deslizamentos de terra. Mais de 300 municípios bolivianos decretaram situação de emergência.
Contenção das águas em Trinidad. 

Fontes: ocorreionews /Das Imagens: Augustin Zambrana Arze - Reprodução / Governo da Bolívia - Reprodução / Facebook - Divulgação / Força Aérea Brasileira) De Olho No Tempo Meteorologia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos suas opiniões e informações.