sexta-feira, 31 de maio de 2013

Ouvidoria solicita segurança para sem terra em Alvorada do Oeste


Alunos aguardam ônibus escolar
no Acampamento do MST Sílvio Rodrigues, em Alvorada do Oeste, RO. Foto Lenir
A Ouvidoria Agrária Nacional solicitou em ofícios expedidos pelo Desembargador Gercino José da Silva Filho segurança do aparelho do estado de Rondônia para as famílias acampadas na BR 425, nas proximidades de Alvorada do Oeste, acampamento do MST (Movimento sem Terra) Sílvio Rodrigues. 


As famílias acampadas pacificamente na beira da estrada vem sendo alvo de intimidações com disparos e perturbação de pessoas armadas, que assustam as crianças que pegam o ônibus escolar, e outros membros do acampamento foram alvejados desde a fazenda Ricardo Franco (fazenda do Italiano), sendo que diversos boletins de ocorrência foram registrados em Alvorada do Oeste.

O pedido de segurança foi encaminhado pela CPT, atendendo as reiteradas denúncias das famílias do acampamento. As mesmas foram apresentadas na Audiência Pública da Comissão Nacional contra a Violência, realizada em Porto Velho o dia 26 de abril de 2013.

Atendendo o pedido a Ouvidoria Agrária Nacional solicitou em 29 de Maio de 2013 do Secretário de Segurança do Estado de Rondônia, Marcelo Nascimento Bessa, a  realização de rondas periódicas de policiais no local para coibir as práticas de pistolagem dos empregados da fazenda. 

Também Gercino Filho pediu em ofício ao Policial Militar Agrário Tenente Coronel Marcio Ângelo Pinto, "providências para garantir a segurança pública e a integridade física dos trabalhadores rurais sem-terras ligados ao MST do acampamento Sílvio Rodrigues".

Ainda a Ouvidoria solicitou informação ao Delegado de Polícia Civil de Alvorada do Oeste, Dr Sílvio Hiroshi Yamaguchi sobre as providências tomadas em relação as ocorrências registradas de disparos e pistolagem, onde foi denunciado uma camionete cor prata de placa NDH 3617.

Existem suspeitas de que o motoqueiro duma moto Honda Bros vermelha que circulava no local com armas expostas poderia se tratar dum policial civil de Alvorada realizando vigilância privada na fazenda. 

A Fazenda Ricardo Franco, que recebeu multas milionárias por crime ambiental, está pendente de realização duma vistoria do INCRA sobre a produtividade da mesma, adiada faz tempo alegando uma ocupação de terras realizada há mais de dois anos por outro grupo sem relação com o acampamento.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos suas opiniões e informações.