quinta-feira, 11 de abril de 2013

Porto Velho articula a Pastoral da Terra na arquidiocese

Representantes da Arquidiocese de Porto Velho
no encontro da pastoral da terra. foto cpt ro
Os dias 10 e 11 de abril de 2013 foi realizado encontro no Centro São Francisco de Assis, em Ariquemes, organizado pela Arquidiocese de Porto Velho juntamente com a Comissão Pastoral da Terra de Rondônia,   para organizar a Pastoral da Terra Arquidiocesana. 
A mesma, organizada dentro da estrutura pastoral da Arquidiocese, pretende organizar os povos da Terra e das Águas em conjunto com todo o regional de Rondônia, a través da CPT (Comissão Pastoral da Terra), que tem caráter ecumênico e engloba também a Igreja Luterana no Brasil (IECLB) e participantes de qualquer igreja.
O encontro de Ariquemes reuniu tanto antigos militantes da CPT dentro da Igreja, como o pároco de Machadinho do Oeste, Pe. Dionisio Kuduavicz, como representantes de paróquias que por primeira vez estavam interessados em conhecer o trabalho da pastoral da terra.

A história, missão e perspectivas de futuro da pastoral da terra. foto cpt ro
No ato estiveram presentes arredor de trinta participantes, com representantes da diversas comunidades da Área Missionária do Rio Madeira (Bandeirantes, Morrinhos, Assentamento Joana d' Arc. Rio Azul, A. Egídio Bruneto ), da área ribeirinha da paróquia da São Luiz Gonzaga, da Paróquia Nossa Senhora Aparecida de Machadinho do Oeste e do Vale do Anari, de Campo Novo e da Paróquia Nossa Senhora da Conceição de Candéias do Jamari.

Resgate histórico.
O encontro contou com a assessoria de Olavo Nienow, antigo coordenador da CPT de Rondônia, que apresentou um resgate histórico da ocupação da terra de Rondônia e a origem da CPT , criada inicialmente junto com o estado do Acre, no ano de 1978 e formalizada posteriormente de forma autônoma em 1983. Ainda a etapa de Olavo na superintendência do Incra foi bem esclarecedora da realidade atual e da situação fundiária que enfrenta o estado de Rondônia

Análise de conjuntura.
Uma análise de conjuntura foi realizada entre os presentes, destacando as principais "pedras" ou entraves que acha o povo do campo, assim como as luzes existentes, perguntando: Como está a realidade do campo em nossa arquidiocese? O que está acontecendo onde moramos e o que nos preocupa? Como a CPT está hoje em nossas paróquias e o que a Pastoral da Terra deveria fazer?

Chão forrado de pétalas de jambo em flor,
do Centro São Francisco de Ariquemes. foto cpt ro
Entre as dificuldades a falta de geração de renda, e de perspetivas de futuro no campo, que empurra muitas famílias para as cidades, com as áreas rurais se esvaziando; o uso e contaminação de agrotóxicos, a visão comercial da terra, com especulação da propriedade da mesma, também as dificuldades de educação e de formação, tanto dos jovens como das lideranças camponesas; de acesso aos direitos, como energia, estrada, dificuldades de comercialização, até com o que alguns participantes qualificou de "Perseguição do Idaron", dificultando o intercambio e transporte de mudas e de alimentos  
Entre estas luzes tiveram destaque as práticas de agroecologia, que permitem a produção de alimentação sadia e sem veneno, com culturas e práticas adequadas a região, respeitosas ao bioma amazônico e a formação oferecida pela CPT às lideranças do homem e mulher do campo. Enquanto algumas lideranças insistiam na falta de formação e na necessidade de melhorar o conhecimento da realidade, a proposta do Padre Dionísio era: "Nós teríamos que recomeçar um grande mutirão para reconstruir Rondônia".


Mística e animação no encontro da pastoral da terra
em Ariquemes. foto cpt ro

A missão e atuação da Pastoral da Terra.
Representantes da coordenação da CPT RO repassaram a análise de conjuntura realizada com dados  sobre a situação da da região amazônica noroeste, com os desafios apresentados e a atuação que desenvolve a Comissão Pastoral da Terra. Estes se  agrupam em três eixos: Atuação em grupos que lutam pela conquista da terra, trabalho pela permanência no campo, e defesa de direitos, especialmente com a campanha contra o trabalho escravo.
Outro campo de formação e debate entre os presentes foi arredor da Missão da CPT, com as suas raízes, pastoralidade, compromissos, metodologias e linhas de atuação.

Planejamento
Finalmente, após apresentar a organização da pastoral da terra, entre os projetos apresentados destacou a proposta de realizar o Congresso Nacional da CPT em Porto Velho, de 08 à 11 de julho de 2015, realizando conjuntamente nesta última data a próxima Romaria da Terra.
Outra data marcante será a participação na próxima Assembléia Regional da CPT Rondônia, em Porto Velho, nos próximos dias 06 e 07 de Julho de 2013. A assembléia ajudará a refletir na pastoralidade da CPT, a partir das orientações do Concílio Vaticano II, devendo escolher a próxima equipe de coordenação e conselho regional da CPT em Rondônia.
Após diversos planejamentos da Pastoral da Terra na Arquidiocese, foram contempladas algumas tarefas a realizar, com indicação de pessoas para representar os dois regionais (Porto Velho e Ariquemes).



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos suas opiniões e informações.