terça-feira, 11 de setembro de 2012

Trabalho degradante nos frigoríficos



A organização não governamental Repórter Brasil, coordenada pelo jornalista e blogueiro Leonardo Sakamoto, divulgou nesta segunda-feira (10) a reportagem multimídia "MOENDO GENTE" na qual mostra que os três principais frigoríficos do país --Brasil Foods (ex-Sadia/Perdigao), JBS e Marfrig-- submetem seus trabalhadores a condições degradantes.
JBS tem 35 frigóríficos e abatedouros no Brasil, cinco deles em Rondônia: Vilhena, São Miguel do Guaporé, Rolim de Moura, Ariquemes e Porto Velho.  Sendo o maior processador de carne do mundo, conta quase com 130 mil empregados no mundo, 49 mil deles no Brasil.
Já a Marfrig, terceiro maior produtor mundial de carne bovina, está em 140 países, e aproximadamente 90 mil funcionários,  mais da metade deles no Brasil. Em terras brasileiras, o grupo é dono de 47 plantas frigoríficas em dez estados. Dois deles em Chupinguaia e Rolim de Moura, em Rondônia.
Distriboi, Frigocal, e Frigoserve (Cacoal), Frigon (Jaru), Frigopec e Minerva (Rolim de Moura), e Frigorífico Tangará (Ji Paraná) também estão entre os principais frigoríficos de Rondônia.

Por outro lado os grandes frigoríficos foram acusados de ser os pricipais doadores da bancada rural. Assim no livro de Alceu Castilho, "Partido da Terra, Como os Políticos Conquistam o Território Brasileiro", informa que, em 2010, o Grupo Friboi, sediado em Goiás, doou mais de R$ 30 milhões para campanhas eleitorais. Financiou 48 candidaturas, com 41 eleições. O Friboi também colocou dinheiro também na campanha de Dilma Rousseff e por coincidência, dos seus 41 parlamentares eleitos, na primeira prova de fogo, o Código Florestal, 40 votaram pelas mudanças agradáveis aos ruralistas. Apenas o gaúcho Vieira da Cunha não seguiu o rebanho. Paulo Piau (PMDB), relator da matéria, recebeu R$ 1,25 milhão do Friboi. Mesmo sendo parte interessada, não se declarou impedido. Nem a leitura do Código de Ética pelo colega Chico Alencar (PSOl) o abalou: fere o decoro parlamentar "relatar matéria de interesse específico de pessoa física ou jurídica que tenha contribuído para o financiamento da sua campanha eleitoral". (Fonte: Comentarios de Juremir Machado, do Correio do Povo, RS)
Será que os problemas trabalhistas dos frigoríficos do Brasil (ver abaixo em mais informação) acontecem também aqui em Rondônia "o estado devastado pela pecuaria"? Deixe os seus comentários.


Do UOL, em São Paulo, dia 10 de setembro de 2012
Intitulada “Moendo Gente”, a reportagem traz textos, vídeos e dados relacionados ao cotidiano de trabalho dos funcionários dos três frigoríficos, que fornecem carne para as principais redes de fast-food, supermercados e indústrias alimentícias espalhadas por 150 países.
Os três frigoríficos estão entre os 20 principais grupos exportadores do Brasil, que atualmente é o maior exportador mundial de frango e carne bovina. Em 2011, o setor exportou US$ 15,64 bilhões. Nos últimos dez anos, a quantidade de animais abatidos dobrou. Atualmente, há 209 milhões de cabeças de gado e mais de 1 bilhão de frangos no país.
Afastamentos

Em uma das unidades frigoríficas da Brasil Foods visitada, em Rio Verde (GO), foram registrados cerca de 90 mil pedidos de afastamento entre janeiro de 2009 e setembro de 2011, segundo levantamento do Ministério Público do Trabalho (MPT).
É como se a cada 10 meses todos os 8.000 empregados do frigorífico tivessem que se ausentar por ao menos uma vez devido a problemas de saúde relacionados ao trabalho. Os afastamentos por distúrbios osteomusculares (os chamados DORT) foram os mais recorrentes: a média é de 28 atestados por dia e de 842 por mês.
Já na unidade de Barretos (SP) da JBS, 14% dos 1.850 funcionários estão permanentemente afastados do trabalho devido a acidentes e doenças ocupacionais --e sobrevivem do benefíciopago pelo INSS (Instituto Nacional do Seguro Social).
Só no primeiro semestre de 2011, registraram-se na unidade 496 pedidos de afastamentos temporários (aqueles com menos de 15 dias) por conta de distúrbios psíquicos e problemas esquelético-musculares.
A reportagem da ONG cita ainda o caso da Seara (empresa do grupo Marfrig), que em 2011 foi condenada a pagar uma indenização de R$ 14,6 milhões por danos morais coletivos causados aos trabalhadores na unidade de Forquilhinha (SC).
A Justiça determinou também que a Seara conceda pausas para “recuperação térmica” de 20 minutos a cada 1 hora e 40 minutos de trabalho, cumprindo o que determina a lei. A mesma sentença obriga ainda o frigorífico a liberar a ida dos trabalhadores ao banheiro, sem que seja necessária autorização prévia de um superior.
Movimentos repetitivos
Segundo a reportagem, um dos principais problemas do trabalho em frigoríficos é a elevada carga de movimentos repetitivos em um curto espaço de tempo. Trabalhadores das indústrias de aves, por exemplo, desossam, no mínimo, quatro coxas de frango por minuto.
Nessa função, há funcionários que realizam até 120 movimentos diferentes por minuto, sendo que estudos ergonômicos apontam que o limite de ações por minuto deve se situar na faixa de 25 a 33 movimentos, de forma a evitar o aparecimento de doenças osteomusculares.
O texto aponta ainda que fiscalizações feitas pelo Ministério do Trabalho e Emprego e pelo Ministério Público do Trabalho vêm constatando prolongamento irregular da jornada de trabalho, com expedientes que não raro superam 15 horas diárias.
Doenças e acidentes
Dados oficiais do Ministério da Previdência Social mostram que os problemas de saúde gerados especificamente pelo abate e processamento de carne são muito mais recorrentes do que os danos provocados por todos os demais segmentos.
No abate de bovinos, ocorrem duas vezes mais traumatismos de cabeças e três vezes mais traumatismos de abdômen, ombro e braço, e seis vezes mais queimaduras. No abate de aves, a chance de um trabalhador desenvolver um transtorno de humor, como uma depressão, é 3,41 vezes maior. Já no abate de aves e suínos, o risco de sofrer uma lesão no punho ou nos plexos nervosos do braço é 743% maior.
A legislação trabalhista do Brasil prevê uma série de medidas visando a proteção da saúde dos empregados do setor de frigoríficos. Há normas para mitigar os problemas gerados pelos movimentos repetitivos. Segundo a reportagem, as empresas nem sempre cumprem essas determinações, e, por essa razão, vêm sendo acionadas judicialmente pelo Ministério Público do Trabalho.
Baixas indenizações
Outro problema recorrente que a reportagem traz é o pagamento de baixas indenizações aos trabalhadores que se acidentam ou desenvolvem doenças ocupacionais. Para especialistas entrevistados, as condenações impostas pelo Poder Judiciário aos frigoríficos resultam em indenizações de valor muito baixo que, em vez de inibir, acabam permitindo que novos acidentes ocorram.
Em Goiás, por exemplo, um trabalhador de uma planta industrial da Marfrig teve de ser submetido a uma cirurgia depois que um corte profundo em seu braço esquerdo atingiu nervos e tendões, prejudicando a mobilidade de sua mão.
Por não fornecer os devidos Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), o frigorífico foi condenado a arcar com os custos da cirurgia e a pagar uma indenização de R$ 5.000 por danos morais. Para efeito de comparação, também em Goiás uma cliente processou um banco que levou seu nome à Serasa Experian e foi contemplada com uma indenização de R$ 10 mil.
Outro lado
A ONG Repórter Brasil pediu para os três frigoríficos se pronunciarem a respeito de cada caso denunciado na reportagem. Apenas a Marfrig comentou cada um. JBS e Brasil Foods enviaram resposta única para os problemas apresentados.
Em seu pronunciamento, a Brasil Foods afirma que “o respeito às pessoas e à legislação vigente é e sempre foi uma prioridade da companhia” e que “sempre procurou agir preventivamente”. Segundo a empresa, “alguns dos casos mencionados pela Repórter Brasil em seu relatório referem-se a decisões em primeira instância, das quais a BRF discorda totalmente e inclusive está recorrendo das mesmas. Nos casos em que, de fato, ficou caracterizada alguma não conformidade, a BRF prontamente firmou acordos com o Ministério Público do Trabalho”.
Já a JBS defendeu que “existem na Justiça do Trabalho decisões favoráveis à empresa nesta questão, bem como decisões contrárias”. A nota sustenta ainda que “existe um grupo liderado pelo Ministério do Trabalho que atualmente prepara a redação de uma norma específica para a atividade em área refrigerada. A JBS, através de um membro das associações que representam o segmento, participa deste grupo e a expectativa é de que tal norma seja editada até o fim de 2012”.
A Marfrig, por sua vez, assegura que sua atuação é “firme e consistente no cumprimento das leis e regulamentos vigentes no país”. Além disso, afirma que “não tolera atos de exploração de mão-de-obra, abuso de poder ou qualquer tipo de perversidade que atinja a dignidade dos funcionários”. Segundo o comunicado, a empresa realiza periodicamente campanhas para prevenção de acidentes no trabalho. “A preservação da saúde e integridade física e mental dos empregados é prioridade na política de recursos humanos.”

Segundo a FEFA RO (Fundo Emergencial de Febre Aftosa do Estado de Rondônia)  estes são os frigoríficos credenciados no estado

1. DISTRIBOI - INDÚSTRIA COMÉRCIO E TRANSPORTE DE CARNE BOVINA LTDA.


. CACOAL/RO



2. FRIGOCAL - FRIGORÍFICO CACOAL LTDA.

. CACOAL/RO



3. FRIGON - FRIGORÍFICO IRMÃOS GONÇALVES

. JARU/RO



4. FRIGOPEC LTDA.

. ROLIM DE MOURA/RO



5. FRIGORÍFICO TANGARA

. JI-PARANÁ/RO



6. FRIGOSERVE

. CACOAL/RO



7. JBS S/A

. ARIQUEMES/RO



8. JBS S/A

. PIMENTA BUENO/RO



9. JBS S/A

. PORTO VELHO/RO



10. JBS S/A

. SÃO MIGUEL DO GUAPORÉ/RO



11. JBS S/A

. VILHENA/RO



12. MARFRIG FRIGORÍFICOS E COMÉRCIO DE ALIMENTOS S/A.

. CHUPINGUAIA/RO



13. MFB MARFRIG - FRIGORÍFICOS BRASIL S/A

. ROLIM DE MOURA/RO



14. MINERVA INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE ALIMENTOS S/A

. ROLIM DE MOURA/RO



Um comentário:

  1. ASSOCIAÇAO DOS TRABALHADORES RURAIS DO VALE DO RIO GUAPORE NO ESTADO DE RONDONIA.VEM MUI.RESPEITOSAMENTE, E RESPONSAVELMENTE.LAMENTAR.QUANTAS VEZES.QUE JA FOI ESCLARECIDO.ESSE ABUSO DE PODERES.POR PARTE DESSES PEQUARISTAS,EM NOSSO TRISTE ESTADO,MAIS ABANDONADO,.DOS PODERES PUBLICOS.POIS JA ESTAMOS.SERTO DE QUE NEM UM ASSOCIAÇAO PODE EXISTIREM,NA ORDEM DA LEI.PARA SER LEGAL,E COM APOIO DO MPF.PORQUE OS OS CRIMES ORGANIZADOS,COMESSAM,COM APOIO DOS GRANDOES,E PODEROSOS.POIS OS SENADOPRES DA REPUBLICA,SAO OS PRIMEIROS A TEREM,OS GRANDES ESQUEMAS,DA MATANÇA DE BOIS,CLANDESTINOS,E FANTASMAS.ENTAO ESSES FIGORIFICOS,SAO MUDADADOS,OS NOMES.PARA DIBLAREM,O GOVERNO FEDERAL.E FICAM,INPUNES.POIS ELES TEM MUITO MILHOES,DISPONIVEIS,E LARANJAS TODA A HORA.POIS QUANTOS FIGORIFICOS JA,FORAM FECHADOS,E NUNCA FICAM SEM NOVOS LARANJAS,ENTAO SOMENTE TROCAM DE REGISTROS NA RECEITA DO ESTADO,ISSO E UMA VERGONHA.PARA NOS ELEITORES.POIS SOMOS NOS MESMOS,QUEM ELEGEMOS,ELES CHEFES.POIS E FIGORIFICOS DOS PARLAMENTARES,E OS LATICINIOS TAMBEM,JOGANDO QUIMICAS,NOS NOSSOS RIOS.PARA MATAREM OS NOSSOS PEIXES,E NAO SAO PONIDOS,DE MANEIRA ALGUMAS,ISSO E MUITO TRISTE,NAO SABEMOS,COMO E QUANMDO.QUE VAMOS SER ATENDIDOS,OS NOSSOS PEDIDOS.PARA QUE AS AUTORIDADES,VENHAM.CORRIGIREM,ESSES PODEROSOS DESSES PARLAMENTARES,QUE SAO PAGOS,ATE POR PAIZES EXTRANJEIROS.PARA NAO CORRIGIREM NADA,VIRGULA NADA.EM NOSSAS FRONTEIRAS JA SE PASSOU,DE ABUSO DE PODERES.E SOMENTE DESTRUIÇOES,EM NOME DO MEIO AMBIENTE.ISSO E UMA VERGONHA.PARA AS NOSSAS.AUTORIDADES,EM BRASILIA-DF.QUE NEM UM PRESIDENTE DA REPUBLICA ATE AGORA,NAO PODE NOS DAR AS NOSSAS.HNORAS DE SERMOS AMPARADOS,POR LEI.OU DECRETO LEI.OS QUAIS NOS ESTAMOS SEGUINDO.PARA NOS PODERMOS SERMOS,ASSENTADOS NA ORDEM DA LEI.PARA QUE NUNCA MAIS VEJAMOS,ESSES ABUSOS,DE PERSEGUIREM NOS LIDERES DE UMA ASSOCIAÇAO PRIVADA.POIS NAO SOMOS,FORA DA ORDEM,E DA LEI.SOMOS REGISTRADOS,NA RFB,E COM APOIO DA LEI,FEDERAL,1183 DE 2011.ENTAO NAO PODEMOS ESTAR,SENDO PERSEGUIDOS.POR AS AUTORIDADES.POIS NAO TEMOS OS COSTUMES DE INVADIR.NADA VIRGULA NADA,DE NINGUEM,QUANTO MAIS DESTRUIR,COM FOGO,ENTAO NOSSO MUITO OBRIGADO.HERMES CAVALHEIRO

    ResponderExcluir

Agradecemos suas opiniões e informações.