quarta-feira, 29 de agosto de 2012

CUT acusa MP e judiciário de restringir trabalho da defesa


Udo Wahlbrink
Publicado por Reportagem em 28/8/2012 A situação do sindicalista já ganhou repercussão estadual, nacional e internacional e hoje ele é considerado pelo movimento sindical como um preso político, afirma CUT-Rondônia.
Familiares dos denunciados no processo 0002297.32.2012.822.0014, através do qual se encontra preso Udo Wahlbrink presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais (STTR-Vilhena/Chupinguaia), o vereador Roberto Pinto e outras duas lideranças, indicaram novos advogados para acompanharem a tramitação da ação penal. Entretanto, desde o início da semana passada que advogados tentam ter acesso ao processo para tirar cópia, mas não conseguem.

Inicialmente foi informado que o processo estava em poder do Ministério Público (MP), porém desde a última quarta-feira (22) houve sua devolução para a 2ª Vara Criminal. Os advogados tentaram acesso, sem sucesso, na quinta e sexta-feira; sendo que nesta segunda-feira o processo foi novamente devolvido pela Justiça ao MP, que terá um novo prazo para se manifestar. Durante todo este período os advogados continuarão impedidos de ter acesso ao processo.
No entendimento da Federação dos Trabalhadores da Agricultura (FETAGRO) e da Central Única dos Trabalhadores (CUT) esse tipo de dificuldade, que vem ocorrendo desde a fase das investigações até todo o andamento processual, confirmaria as suspeições levantadas pela Comissão de Direitos Humanos e Minorais da Câmara dos Deputados, cujo relatório constatou abuso das autoridades e criminalização intencional do movimento que defende a Reforma Agrária no Cone Sul.
No caso do sindicalista Udo Whalbrink, por exemplo, ele foi condenado no dia 06 de junho por porte de arma, que estava em seu poder no momento em que ele foi preso pelo suposto descumprimento da ordem de reintegração de posse da Fazenda Dois Pinguins, em Chupinguaia. Entretanto, Udo havia feito várias denúncias de que estava sofrendo ameaças de morte e pedido proteção policial, que não teve; tendo sofrido um atentado a tiros no carro do sindicato. A Polícia Civil só liberou o laudo pericial do atentado, que deveria ter sido usado na defesa do sindicalista, dois meses após o julgamento.
A situação do sindicalista já ganhou repercussão estadual, nacional e internacional e hoje ele é considerado pelo movimento sindical como um preso político. Em Rondônia no último dia 08 de agosto os deputados estaduais aprovaram, por unanimidade, Moção de apoio à liberdade de Udo. Antes, em 13 de junho em São Paulo, o Congresso Nacional da CUT também aprovou Moção de apoio; sendo que neste dia 22 de agosto o Encontro Nacional Unitário, em Brasília, de todos os segmentos de trabalhadores rurais, aprovaram o mesmo apoio.
Em âmbito internacional, a União Internacional dos Trabalhadores da Alimentação e Agricultura (UITA), com sede em Montevideo no Uruguai , aprovou em 30 de julho último nota de solidariedade e apoio ao presidente do Sindicato Udo Wahlbrink, “preso injustamente há mais de quatro meses”.
FONTE/TEXTO/FOTO - CUT-RO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos suas opiniões e informações.