sábado, 10 de março de 2012

Rondônia: Terceira greve na usina de Jirau

Atualizado 11/02/2012 - Nova greve geral na Usina de Jirau (Porto Velho, Rondônia) começou o dia 08 de março pelos funcionários da construtora ENESA, que conta com uns 800 operários. A pesar que a assessoria de comunicação da Camargo e Correia tenha negado que toda a obra esteja parada, o site Rondoniavip informa "este movimento grevista da ENESA, causou receio as outras empresas que prestam serviços no local e fez com que retirassem todos os seus funcionários e maquinários do canteiro, o mesmo foi feito com os ônibus de transporte de pessoal, paralisando toda a obra. o Sindicato da categoria está no local e tenta negociar o impasse". A informação é que a greve é pacífica e um grande aparato policial está no local mantendo a ordem.
Segundo o MAB este domingo, os trabalhadores das usinas de Jirau e Santo Antônio realizarão uma grande assembleia para discutir os próximos passos da paralisação. A expectativa é de que 22 mil operários participem do ato. O Movimento dos Atingidos por Barragens foi convidado pelo sindicato a participar da assembleia. O MAB prevê que muitas outras paralisações tendem a ocorre em todo o país, pois os trabalhadores das hidrelétricas têm sido submetidos a condições que beiram o trabalho escravo, além da constante controle dos trabalhadores feitos pelos aparatos policiais e segurança privada. Na próxima semana, os atingidos por barragens de todo o país também estarão mobilizados, demonstrando outra face das enormes contradições existentes no setor elétrico brasileiro, que além explorar os operários, nega os direitos das populações atingidas por barragens e cobra altas tarifas de energia de toda a população brasileira.

5 comentários:

  1. é isso mesmo. nós, trabalhadores de jirau tamos perto do trabalho escravo msm. nos obrigam até a subir em paredoes de mais de 25 m de altura na chuva, com luvas praticamente molhadas e escorregadias. isso é uma vergonha. e só o q querem é producão e produção, não pensam na gente.

    ResponderExcluir
  2. e poriso que nois de machadinho d oeste nao saimos da qui pra i porque o povo dai nao trabalha soveve na bagunsa em comto nois presisa trabalha e nao tem achache tem que da serviso e praquemque trabalha nao pra quemque ganha avida sol na greve faseno ruasa trapalhado quem que trabalha

    ResponderExcluir
  3. nada ver só tão querendo melhorias para todas as aréas de trabalho só o ministerio do trabalho para ver que os encarregados tratão trabalhadores como escravo alguns tentão entimidar falão se vc quiser vai procurar seus direitos

    ResponderExcluir
  4. Senhores,realmente é uma situação constrangedora;

    Ai se vem a pergunta,onde está a Segurança do Trabalho? Será mesmo que está zelando pela saúde e integridade dos funcionários?Ou só estão para defender a empresa e cumprir tabela?
    Realmente isso decepciona em saber que uma empresa de grande porte,ainda se comporta dessa forma...

    ResponderExcluir
  5. Eu no tempo q trabalhei no jiral nao posço reclamar de nada
    e sim, agradecer a todos da direcao de transpote,
    è que tem algumas pessoas q reclamam de tudo,
    quando esta desmpregado querem se fichar,
    quando esta fichado querem baderna,
    ass;Adilson moura , operador, de caminhao basculante.

    ResponderExcluir

Agradecemos suas opiniões e informações.