sexta-feira, 2 de março de 2012

ICMBIO anuncia retirada de 28 famílias da Flona Bom Futuro


Floresta Nacional do Bom Futuro  (Foto: Sipam/Divulgação)
Ocupantes da Flona Bom Futuro. Foto SIPAM
Segundo diversas informações, o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBIO)anuncia a retirada de 28 famílias da Floresta nacional Bom Futuro, em Porto Velho. Segundo Ana Rafaela D’Amico, coordenadora regional do ICMBIO de Porto Velho, explica que operação irá retirar pelo menos 28 famílias de novos invasores.  Segundo estas informações vários delas disseram que só vão sair presos. "A gente vai organizar a operação de forma a evitar que isso aconteça e resolver da forma mais pacífica possível, inclusive com a participação da Ouvidoria Agrária na operação de desocupação. Não será tolerada nenhuma reocupação na área. A gente vai manter a Flona sem ocupantes”, avisa. Ana Rafaela.

As famílias teriam invadido e desmatado a reserva federal na região de Jaci Paraná, depois do acordo que desmembrou da FLONA a localidade de Rio Pardo. Há três anos, um acordo entre os governos federal e estadual acabou separando da mata fechada o distrito de Rio Pardo, onde vivem cerca de 1, 6 mil famílias. A pequena cidade tinha sido criada clandestinamente dentro da Flona com anterioridade. Segundo o acordo Rondônia repassou para a União 200 mil hectares de áreas preservadas em troca do distrito e das áreas exploradas, num total de 183 mil hectares. A Floresta Nacional foi reduzida a 90 mil hectares.
Segundo o ICMBIO "Em 2009, o acordo previa o fim dos desmatamentos na região. Mas de acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, nada disso aconteceu. Segundo dados do INPE, de todos os desmatamentos que aconteceram em Rondônia, só em 2011, 10% foram registrados justamente no município de Rio Pardo. O pior é que novas invasões voltaram a ser registradas na Flona. O Instituto Chico Mendes de Proteção da Bio Diversidade é o responsável pela manutenção da Floresta Nacional. Há invasores que abrem picadas, demarcando áreas, depois desaparecem durante meses. Mas retornam com ameaças à fiscais e policiais militares na Base do ICMbio. Nos últimos dias o policiamento teve que ser reforçado.


Outras fontes: G1e Rondoniadinámica.

Um comentário:

  1. Na verdade o Icm-bio apos o acordo feito entre governo estadual e federal no que se refere à permulta citada, considera que a situaçao da FLONA está resolvida. Mas, nao relata e sim esconde que o acordo nao abrangeu TODAS as familias que ali residem e ficou um remanescente de aproximadamente 154 familias que moram, residem, e vêm exercendo suas atividades agricolas na área apesar de estarem sofrendo represálias por parte dos agentes ambientais e de serem chamados de "novos invasores" que devem ser retirados.
    A verdade é que esses "novos invasores" sao pessoas que estao morando na area há muitos anos e têm como comprovar isto com documentos registrados em cartorios, imagens de satelites, etc. Estas pessoas são conhecidas e tem participaçao ativa na sociedade riopardense, mas que o órgão ambiental Icm-bio tenta a qualquer custo esconder esta realidade.
    Mais informaçoes no email: angulotopografi@hotmail.com

    obrigado: JANDER FARIAS, representante das 154 familias residentes.

    ResponderExcluir

Agradecemos suas opiniões e informações.