sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Pistolagem aumentou em Rondônia

Pistoleiros em Seringueiras,
continuam soltos.
A pistolagem disparou em Rondônia. É o que recolhem os dados parciais de 2011 publicados o dia 05/12/2011 pelo do Setor de Documentaçao da Comissão Pastoral a Terra (CPT). Os dados registrados fazem referência aos registros de janeiro a setembro de 2011 de conflitos, assassinatos, despejos e violência agrária no campo de todo o Brasil, comparados com a mesma época de 2010. Em Rondônia as vítimas de pistolagem passaram de 325 em 2010 a 3.670 em 2011. Muitos antigos posseiros foram atingidos por conflitos de terra, que dobraram, atingindo 2.215 famílias, em 45 novos conflitos registrados este ano. O número de ameaçados de morte passou a 27 ameaças registradas, frente apenas 02 no ano passado. Rondônia registrou 09 novos conflitos por água neste período. E igual que no resto do Brasil, em Rondônia aumentaram também as denúncias por trabalho escravo. A mudança reflite não somente a melhora na denúncia e registro das vítimas, como também a real aumento de ameaças, violência e conflitos agrários em Rondônia, especialmente depois da morte de Adelino Ramos, (registrada no estado de Amazonas, onde residia) em Maio. Veja as tabelas abaixo.


Assim, apesar de se manter o número de novos acampamentos e ocupações de terras, o total de registro de conflitos agrários com posseiros de terras aumentou na primeira metade de 2011, passando de 17 a 42, dobrando o número de famílias atingidas.


O registro de vítimas de pistolagenm passaram de 325 a 3.670, refletindo de forma muito mais aproximada o que está acontecendode fatono Estado de Rondônia, enquanto o núero de amaeçados de morte também disparou: De apenas 02 passou a 27.




Os conflitos por água, apesar de aumentar o n'mero de conflitos, reduziu o número de atingidos, depois que não foram mais contabilizadas as mais de cinco mil famílias despejadas pelas Barragens do Madeira.



Enquanto as manifestacões registradas até setembro deste ano foram mais que em 2010, o número de participantes reduziu.


As denúncias de Trabalho Escravo em Rondônia também aumentaram, passando de 5 a 13 denúncias, e de 41 vítimas resgatadas a 79 trabalhadores em situação análoga à escravidão em nosso estado.



Fonte:
CPT Rondônia: Zezinho 69 3224 4800.
CPT Nacional Assessoria Comunicação: Cristiane e Canuto (62) 4008-6412








































Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos suas opiniões e informações.