quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Movimentos de sem terra conseguem acordo com INCRA e Governo do Estado

Centenas de agricultores de acampamentos de posseiros e sem terra pressionaram o presidente do INCRA, Celso Lisboa Lacerda, de visita em Rondônia, e o Governador do Estado, Confucio Moura, a fim de parar os despejos de terra e frear a violência agrária em Rondônia.
A reunião aconteceu ontem em Ouro Preto d' Oeste. Os acampados, sabendo do evento, acorreram em massa para essa reunião ultrapassando muito os convidados. Chegaram vários ônibus de todo o estado, estavam presentes em torno 900 a 1.000 pessoas. Estavam presentes além do presidente do Incra e do Governador de Rondônia, várias autoridades, políticos e inclusive o juiz da comarca onde foi o evento.

Confúcio Moura, governador de Rondonia, e mais o governdor do Pará e do Amazonas, tinham sido convocados pela Presidente Dilma em março para encontrarem alternativas que amenizassem a grave questão agrária nos três estados e providências urgentes quanto à violência crescente nos três estados. Confúcio Moura disse que o governo de Rondônia aderiu prontamente aos apelos da presidente e desde então tem tomado as providências cabíveis nesse sentido. Convocou o secretário estadual da agricultura e a responsável pela regularização fundiária pelo Terra Legal, solicitando visitas a todos os acampamentos do Estado para conseguir dados abrangentes e atualizados da situação de cada um.
Após isso, solicitou do presidente nacional do INCRA, uma reunião coma as lideranças dos tais acampados para o dia 18 de outubro no centro de treinamento da Emater CENTRER em Ouro Preto do Oeste.
Também movimentos sociais, Fetagro, MST e CPT, e LCPestiveram presentes com oportunidade de fala, bem como os acampados puderam fazer seus questionamentos por escrito. Após almoço, o governador e o presidente do INCRA, receberam FETAGRO, CPT, MST, MAB em audiência na tentativa de buscar alternativas e parcerias para o grande desafio apresendo. São em torno de 70 acampamentos, muitos dos quais com reintegração de posse.

Os encaminhamentos foram:

a) Interromper por um tempo razoável, (não se precisou quanto) as reintegrações de posse,
b) O governador se prontificou a pagar pelo Estado a terra de 37 ocupações, assentando os agricultores na área.
c) Formar uma equipe mista de movimentos e órgãos públicos com o objetivo de analizar as prioridades e peculiaridades dos assentamentos.
d) Solicitar do judiciário que antes de emitir a liminar de reintegração se comunicasse com a equipe e o INCRA.

A avaliação do evento foi muito positiva tanto para os órgãos públicos, movimentos e acampados presentes.

4 comentários:

  1. é magnifico a cara de pau desses bandidos quererem respeito, se passando como vitimas, pois os bandidos nesta historia sao eles que invadem propriedades produtivas com o unico motivo de invadir depois vender , cambada de marginais.

    ResponderExcluir
  2. o gorevno deve comprar essas terras de fazendeiros ou toma-los pois os mesmo não produz comida só degrada o meio ambiente dou todo meu apoio a luta pela terra só assim pra RO crescer.

    ResponderExcluir
  3. fazendeiros nao produzem???? a carne e todo os cerreais que vç come sao eles que produzem, sem terra e invasores de terras nao produz nem mesmo pra ele comer,se produzissem nao aceitariam cestas basicas do incra e só querem terra pra vender.se vç apoia é que vç tambem é igual a eles , vai trabalhar que vç consegue as coisas, nao é roubando que vç vai conseguir nao!BANDIDOS!

    ResponderExcluir
  4. deve ser por causa disso que o brasil não vai pra frente os fazendeiros bandido sem vergonha na cara só quer roubar as terra da união desmatando e usar os pequenos como escravo cuidados por jagunços trabalha ou morre isso é vida ,,,,,,,,,,,, quero ver fazendeiro carpinando patio de prisão...

    ResponderExcluir

Agradecemos suas opiniões e informações.