sábado, 30 de abril de 2011

Deputado Padre Ton (PT RO) condena proposta dos ruralistas no Código Florestal

Durante seminário realizado quinta feira 28 de Abril no auditório Nereu Ramos, na Câmara dos Deputados, o deputado Padre Ton (PT-RO) condenou a proposta de reforma do Código Florestal contida no substitutivo relatado pelo deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP), que para ele está, junto com a bancada ruralista do Congresso Nacional, a serviço dos grandes proprietários de terra no país.


O debate, denominado As Mudanças no Código Florestal e os Desafios para o Desenvolvimento Sustentável, foi promovido pela Central Única dos Trabalhadores, CUT. Integrante da mesa, o deputado Padre Ton foi bastante aplaudido pelos militantes ao mencionar que somente o financiamento público de campanha será capaz de reduzir o peso da representação no Congresso Nacional a favor dos grandes interesses econômicos. “Há muita gente atuando pelo próprio interesse, o interesse pessoal, e poucos de fato pensando no povo”, acusou.  

Para o deputado, a reforma do Código Florestal não atende a agricultura familiar e os interesses da conciliação entre desenvolvimento e meio ambiente. O relatório de Aldo Rebelo “atraiu” pequenos produtores com a inclusão de artigo que os desobriga de deixarem área de Reserva Legal em suas propriedades. “O agricultor familiar, ao contrário dos que desmatam e abrem nova frente de produção, fica na sua terra, precisa dela para seu sustento. É obvio que a ele interessa manter estoque de área preservada para uma produção sustentável e permanente”, disse.

Padre Ton e um grupo restrito de parlamentares na Câmara dos Deputados defendem a manutenção da exigência de 30 metros de Área de Preservação Permanente (APP) na margem de rios; tratamento diferenciado para a agricultura familiar conforme estabelece a lei 11326 que define a        Política Nacional de Agricultura Familiar e  manutenção da exigência de Reserva Legal nas propriedades com até 4  módulos.  

Com votação prevista para os dias 3 ou 4 de maio, o substitutivo apresentado por Aldo Rebelo foi acolhido parcialmente pelo governo, mas ainda há divergência sobre o tamanho das APPs em margens de rio. No PT, há opiniões divergentes na bancada, a maior da Câmara dos Deputados.

A deputada Luci Choinacki (SC) e o deputado Márcio Macedo (SE), ambos do PT, também condenaram pontos do relatório de Rebelo, bem como o representante do Greenpeace, Márcio, e o dirigente petista da Secretaria Nacional de Meio Ambiente e Desenvolvimento, Júlio Barbosa. 


Fonte: Mara Paraguassu
Assessoria de Imprensa
Deputado Padre Ton (PT-RO)
(61) 3215-3280 e 9974-9423

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos suas opiniões e informações.