terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Empresário acusado de matança

Segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010 - 12:09

Briga por terras
EMPRESÁRIO É PRESO ACUSADO DE COMANDAR MATANÇA EM UNIÃO BANDEIRANTES; PMs RECEBIAM R$ 6 MIL POR SEMANA
Na manhã desta segunda-feira, o titular da Secretaria de Estado da Segurança, Defesa e Cidadania (Sesdec), Evilásio Sena, e o diretor geral da Polícia Civil, Moriô Ikegawa, anunciaram durante coletiva à imprensa a prisão do empresário Adaildo Araújo da Silva, que é acusado de chefiar um grupo de extermínio formado por três policiais militares e três peões de fazenda.

Segundo investigação da Polícia Civil, Adaildo Aarújo pagava R$ 6 mil por quinzena a cada PM para que eles mantivessem segura a propriedade onde há plano de manejo florestal avaliado em pelo menos R$ 2 milhões.

Apesar de dizer que contratou os PM’s para que eles fizessem apenas a patrulha rural e que nunca presenciou um homicídio, testemunhas dizem tê-lo visto na companhia dos envolvidos em pelo menos um assassinato.

Moriô Ikegawa diz que as investigações estão avançadas e que dois inquéritos envolvendo o suspeito serão relatados esta semana e remetidos ao Ministério Público.

Triplo homicídio

Um dos inquéritos é o 095/2008 que trata do triplo homicídio ocorrido dia 20 de novembro de 2008 no quilômetro 15 da linha 08, no distrito de União Bandeirantes. As vítimas dos assassinatos são os agricultores sem terra Adalto da Silva Filho (Baca), Edmilson Gomes de Oliveira e Evandro Dutra Pinto.

Foram presos, acusados pelo crime, os policiais militares Claudiomar Oliveira de Assis (PM De Assis) e Paulo César Barbosa (PM Paulo César), além de Givanildo Bezerra da Silva (Nildo) - funcionário do PM Paulo César. Samuel Ynuma Vaca (Bolívia ou Samuca), o quarto envolvido no triplo homicídio, está foragido.

Segundo a investigação, os policiais estavam á caça do agricultor José Gonçalves Filho (Zé Venço), um dos líderes do movimento sem terra. Como ele não foi encontrado, os militares detiveram, de forma ilegal, o agricultor Adalto da Silva e o torturaram para que ele dissesse onde estava Zé Venço. "As outras duas vítimas passavam pelo local quando viram o amigo sendo torturado. Ao parar para tomar satisfação, eles também foram detidos e mortos", denuncia o diretor geral da Polícia Civil.

Tentativa de homicídio

Os PM’s, segundo denúncia, estão envolvidos também na tentativa de homicídio ocorrida contra os agricultores Dorval Roberto da Silva e Josué Lopes Silva. Além dos três PM’s citados está envolvido o PM Jô Anemias Barbosa da Silva e os peões Givanildo Bezerra e Claudinei do Nascimento. Todos estão com prisão preventiva decretada.

Segundo investigação, Dorval Roberto e Josué Lopes seriam vítimas de queima de arquivo. Os dois são amigos do agricultor Isaías que foi executado há alguns meses e teve o corpo desaparecido. “Eles sabiam das ameaças sofridas pela vítima e por isso representavam ameaça aos militares”.
Fonte: RONDONIAGORA





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos suas opiniões e informações.