sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Porto Velho 180 famílias ameaçadas de iminente despejo.

Liderado pela Associação Novo Progresso, o Acampamento São Cristóvão articula 180 famílias que ocupam por mais de dois anos nas proximidades da cidade de Porto Velho. No local o Incra se comprometeu a realizar vistoria e negociar área penhorada na Vara do Trabalho de Porto Velho. Apesar disso a  7ª Vara Cível de Porto Velho já solicitou a disponibilização de força policial para reintegração de posse das famílias que ocupam mais de 432 hectares reivindicada pela Fazenda Alexandria, propriedade do conhecido ex delegado João do Vale, dentro da Gleba Garça, nas proximidades de Porto Velho.

Capanga armado flagrado na Gleba do Garça em 2012. foto acampados
No local duas pessoas do acampamento morreram de forma suspeita e um terceiro, Genilson Castro Ribeiro, foi baleado a começo de julho,  por um grupo armado agindo na área provocando brigas e aterrorizando os acampados.

O assunto foi discutido na 669ª Reunião da Comissão Nacional de Combate a Violência no Campo, realizada em Porto Velho, na sede do Incra, no dia 22 de julho de 2014, às 09,30 h. Na ocasião o chefe de gabinete do Incra de Porto Velho, afirmou que a Fazenda Alexandria soma área de 2.158, 7514 hectares demarcada e contemplada com título definitivo.
Para os acampados, na realidade a área pretendida pela fazenda é muito maior do que a área titulada, pelo qual,  solicitaram junto ao Incra de Porto Velho que o mesmo faça uma medição topográfica da fazenda Alexandria, inserida na gleba Garças, com a finalidade de aferir o quantitativo de área ocupada pelo senhor João do Vale, e se realmente equivale a área titulada. Solicitação esta, em que o Incra se comprometeu em realizar o mais rápido possível.
O compromisso não foi cumprido, e até o momento a citada vistoria não foi realizada. 
Ainda a área titulada está penhorada por processo na Vara do Trabalho, pelo qual foi solicitado que o INCRA negocie com a Vara do Trabalho de Porto Velho a destinação do imóvel empenhado para fins de reforma agrária. Solicitada via ofício pela CPT RO, na qual ainda não temos resposta.

Atualizado 19 h.
Reunião do Incra determina vistoria no local. 
Procurada pelos acampados, representantes dos acampados, acompanhados por agentes da CPT RO, o chefe de gabinete do INCRA RO Sr Valdomiro Bastos, se comprometeu nesta sexta feira (5) a realizar a medição da área pedida pelos acampados na próxima terça feira, dia 09 de setembro. Também se comprometeu a entrar em contato com a Justiça do Trabalho para iniciar conversas sobre a área penhorada, no objetivo de destinar a mesma a fins de reforma agrária.

Acampado foi alvejado em 20 de junho de 2014
Segundo informações disponíveis em Ocorrência Policial 4739/2014 o acampado Genilson Castro Riveiro resultou alvejado por disparo de arma de fogo próximo da clavícula do lado esquerdo na Linha H 27, tendo sido atendido no Hospital João Paulo II. Acusado do fato, alegando legítima defesa, foi detido pela delegacia de polícia civil o Policial Militar Francimar Matos Marques, com que foi apreendida uma pistola. Segundo testemunhas, a vítima foi atirada após ser obrigado a deitar no chão atrás do carro onde viajava, por ser considerado responsável pela morte dum irmão do suposto agressor.

Rodrigo Pereira de Freitas foi morto em 09 de Julho de 2014 na Linha 22, aparecendo morto em balneário, dentro do Rio das Garças.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos suas opiniões e informações.