terça-feira, 19 de julho de 2011

Tensão em Corumbiara, Rondônia


Reocupação de Santa Elina pela LRP
em 25 Julho de 2010.
Foto do site www.ligaoperária.org.br

Perto de cumprir dezesseis anos do massacre de Corumbiara, novo clima de tensão continua na região do Cone Sul de Rondônia, desta vez por divergências entre diversas organizações de agricultores sem terra. Depois do INCRA ter anunciado desapropriação de fazenda para fins de reformas agrária, no ano passado, um grupo liderado pela Liga dos Camponeses Pobres teria se adiantado ocupando de forma oportunista das terra que aguardavam para receber os acampamentos de Cambará, Zigolândia e Rio das Pedras, formados por remanescentes do massacre. Depois de intentos de acordo, os dirigentes de Rondônia do sindicato da Fetagro acusam a Liga de formar grupos armados ameaçando e amedrontando os acampados.
O acampamento de Corumbiara em 1995

Segundo informações da Fetagro, a Federação do Sindicato dos Pequenos Agricultores de Rondônia, houve diversos encontros e o dia 11 houve um acordo depois dum intento de conciliação. Entretanto a Fetagro acusa a Liga de posteriormente ter ameaçado as lideranças dos acampamentos. Os dirigentes da Fetagro, Lázaro Aparecido Dobri, Fábio Assis de Menezes e Teófilo Santana da Silva, acusam o dirigente da Liga Elias Quirino e um acompanhante apelidado de Teleco, de se apresentar fortemente armados, com grupos de pessoas também armadas, em alguns casos apavorando as pessoas, temerosos de outro massacre acontecer no local.

Em documento dirigido às autoridades , os dirigentes do sindicato pedem "com a máxima urgência a presença da Policia Civil, da Policia Federal que efetue o desarmamento das lideranças e acampado da LIGA para evitar mais um massacre, só que dessa vez entre trabalhadores" . Segundo eles, foi registrada ocurrência dos fatos na delegacia de Cerejeiras, BO 13077/2011.

Os membros do sindicato denunciam que no foi cumprido acordo realizado na Ouvidoria Agrária Nacional, em dezembro de 2010, no sentido que os ocupantes da Codevise, membros da Liga dos Camponeses Pobres, iam se retirar do local. Já os membros desta organização dizem ser partidários da reocupação das terras por causa da demora do INCRA e das autoridades em resolver a situação.


3 comentários:

  1. para manter pelo menos uma aparencia de credibilidade a cpt deveria investigar que com certeza saberia de duas coisas: os tais acampamentos cambara, zigolandia, rio das pedras "formados" por remanescentes das vitimas de corumbiara não tem uma unica vitima do massacre, e depois quem está fazendo provocação são os proprios acampados da fetagro ostentando armas de variados calibres para amedrontar as familias que estão na area zé bentão. vou dar os nomes das suas lideranças que estão ameaçando as familias da areá zé bentão, pois parece que voces não saem do escritório para conhecer a realidade escrevem de acordo com a imaginação: são eles os filhos do prefeito silvino de corumbiara, bob conhecido bebum e provocador de coumbiara tem ficha criminal por agressão e assassinato, pelé branco ficha criminal por agressão e assassinato.
    sabemos que são conhecidos amigos ou lideranças da cpt. o telhado de voces é de vidro nunca jogue pedra nos telhados dos outros que são solidos quando o de vocês é de vidro.

    ResponderExcluir
  2. o que vc que dizer com estas palavras me vem ou pensamento que o seu objetivo,são de interlocução politica tem ainda como objetivo estimular,implementa, A VIOLêCIA.QUE DEUS TE JUGER POS VIABILIDADE QUE CV TM PARA SUBI E,000000.ASS:IRA DE PORTO VELHO-RO

    ResponderExcluir
  3. CPT citou as fontes de informação: a Fetagro, e recebemos cópia de boletim de ocurrência com estes datos. Agradecemos toda informação, se é todos os lados melhor. Torcemos para um acordo e para que não haja uso de violência para resolver este conflito.

    ResponderExcluir

Agradecemos suas opiniões e informações.